ENCALHE ( Descontinuado em 05.10.2013 )

agosto 10, 2013

Academi (ex-Blackwater) não foi vendida à Monsanto (correção)

Filed under: WordPress — Tags:, , — Humberto @ 7:52 pm

 

Numa breve notícia datada de 29 de Julho de 2013, nós indicávamos que, segundo a SouthWeb, a Academi, (ex-Blackwater) -( firma privada de aluguer de mercenários, NdT ), tinha sido adquirida pela Monsanto [1].

Ora a SouthWeb desmentiu a publicação que fez anteriormente. Segundo esse sítio, é certo que a Monsanto recorreu aos serviços da Academi – catalogada como o maior exército de mercenários do mundo – mas apenas para colmatar certas necessidades em matéria de inteligência. A SouthWeb não esclareceu a origem do seu erro.

Assim, a Academi não mudou de proprietário desde 2010.

Tradução
Alva

julho 30, 2013

Monsanto compra Academi, a antiga Blackwater

Filed under: WordPress — Tags:, , , , , — Humberto @ 6:15 pm

 

A Academi (antigamente conhecida como Blackwater), companhia que representa o exército privado mais poderoso do mundo, anunciou que tem um novo dono, que não identificou. Também não deu a conhecer a soma investida na operação de compra.

Segundo o sitio SoutWeb.org, o feliz comprador de Academi não é outro senão a transnacional de biotecnologia Monsanto [1].

Criada em 1901, a Monsanto começou fabricando a sacarina utilizada no processo de produção da Coca-Cola. Durante a Segunda Guerra Mundial, forneceu o urânio utilizado no projecto Manhattan. Durante a guerra dos Estados Unidos contra o Vietname, produziu um poderoso herbicida – o tristemente célebre Agente Laranja – destinado a desfolhar a selva vietnamita. Nos últimos 30 anos, a Monsanto converteuse em líder mundial da produção de organismos genéticamente modificados (OGM). Hoje em dia ocupa o lugar 206 na lista das trans-nacionais americanas mais importantes.

A Academi, foi criada por Erik Prince em 1997 sob o nome de Blackwater Worldwide. Esta firma, em que alguns dirigentes estão ligados a igrejas evangélicas financiadas pelo Pentágono, desempenhou no Afeganistão e no Iraque um papel comparável ao da Ordem de Malta no passado. Ela é presidida por Billy Joe (Red) McCombs, que ocupa o lugar 347 entre as pessoas mais endinheiradas dos Estados Unidos ; John Aschcroft, ex-secretário americano de Justiça ; e o almirante Bobby R. Inman, ex-director da National Security Agency (NSA) e director-adjunto da CIA. A Academi, que trabalha fundamentalmente para o governo norte-americano, participou na tomada de Tripoli (a capital líbia) e actualmente dedica-se ao recrutamento de combatentes que são enviados para a jihade na Síria.

O impressionante crescimento da Blackwater deve-se, em grande parte, ao projecto de privatização das forças armadas dos Estados Unidos, impulsionado por Donald Rumsfeld enquanto esteve à cabeça do Departamento de Defesa. Como resultado do fracasso dessa política e das actuais restrições orçamentais, Washington limitou as tarefas confiadas à Academi a contratos de vigilância, ou de escolta em certos teatros de operações e a realização de operações secretas « não reconhecidas ». A reputação da Academi permitiu-lhe igualmente obter contratos para o envio de mercenários para pequenos Estados, essencialmente no Golfo Pérsico.

Segundo o sítio internet SouthWeb.org, a venda da Academi corresponde à entrada da Bill and Melinda Gates Foundation ( Fundação Bill e Melinda Gates, NdT ) no capital da Monsanto. Criada pelo fundador da Microsoft e o especulador Warren Buffet, ( os dois personagens mais endinheirados dos Estados Unidos ), esta é a fundação « filantrópica » mais importante do mundo.

Ela lançou, nomeadamente, junto com a Fundação Rockfeller, a Aliança por uma Revolução Verde em África (AGRA, sigla em inglês), que visa estender o uso das sementes Monsanto no continente negro.

Tradução
Alva

[1] Monsanto Buys Blackwater, the largest mercenary army in the world, SouthWeb, 20 de Julho de 2013.

VOLTAIRENET

.

julho 28, 2012

A Monsanto e o golpe de Estado no Paraguai, Por Ludovic Voet

Filed under: WordPress — Tags:, , , , — Humberto @ 3:42 pm

A empresa americana especializada em biotecnologia vegetal não tem as mãos limpas nos eventos recentes no Paraguai.
No dia 21 de outubro de 2011 o Ministro da Agricultura, o liberal Enzo Cardozo, permitiu ilegalmente a plantação da semente de algodão transgênica Bollgard Bt da companhia Monsanto para uso comercial no Paraguai. As reações dos movimentos camponeses e ecologistas foram imediatas.
Na Índia, já em 2009, a organização Navdanya publicava um relatório no qual afirmava que “o algodão Bt deixa os solos inférteis reduzindo a atividade microbiana”. Esse algodão transgênico contém uma bactéria tóxica. Mas para assegurar a si própria o máximo de lucro Monsanto está pronta para tudo. A empresa não respeitou decisão do escritório paraguaio do Comitê de Proteção das Plantas do Cone Sul (SENAVE) que reúne Argentina, Uruguai, Chile, Paraguai e Brasil dirigida por Miguel Lovera, de não registrar essa semente transgênica porque ela não respeitava as regras do Ministério da Saúde Pública.
Durante o mês precedente ao golpe de Estado no Paraguai a Monsanto – através do lobby dos grandes proprietários de terras da UGP (União dos Grêmios de Produção) em coordenação com a mídia dominante – lançou uma campanha encarniçada exigindo a demissão de Lovera. Em 8 de junho a UGP fazia aparecer no jornal ABC, em seis colunas “12 argumentos para destituir Lovera”. A ministra da Saúde Esperanza Martinez e o ministro do Clima Osmar Rios não vinham mais aceitando as ordens da Monsanto. Lovera e eles foram acusados de corrupção pelo jornal ABC de propriedade de Aldo Zuccolillo, um dos membros de seu grupo de empresas (Grupo Zuccolillo), não é outro senão Hector Cristaldo, o presidente da UGP. A lista das ligações entre os grandes capitalistas no Paraguai é longa para se descrever…
Em 2011 a Monsanto fez negócios de 30 milhões de dólares, livres de impostos, somente pelos royalties pelo uso das sementes de soja transgênica no Paraguai. Ao mesmo tempo a Monsanto vende sementes transgênicas que são utilizadas pela cultura de soja sobre mais de três milhões de hectares. As transnacionais do agrobusiness não pagam quase nenhum imposto no Paraguai protegidas pela maioria de direita no Congresso. 60% do orçamento nacional vem da T.V.A. e 13% dos impostos são essencialmente pagos pelos trabalhadores. Entretanto a quantidade dos negócios das grandes multinacionais do agrobusiness é de 6 bilhões de dólares anuais, perto de 30% do PIB.
A gota d’água teria sido que o governo Lugo tinha acabado de criar um organismo de biossegurança sob a direção do Ministro da Agricultura a quem competia arbitrar sobre o uso de tal ou qual semente, o que significaria que o governo poderia tocar nos interesses e nos lucros desmedidos da Monsanto e seus associados no setor.
A UGP convocou para o dia 25 de junho um “Tratoraço”, uma manifestação para parar o país com a ajuda das máquinas agrícolas dirigida contra o governo Lugo e exigindo a destituição de Lovera. Os eventos de Curuguaty teriam sido a ocasião ideal para se desembaraçar do presidente embaraçoso. Em 22 de junho face aos fatos a Ministra da Saúde Esperanza Martinez remetia sua demissão ao “presidente Franco” por não sustentar o golpe de Estado recentemente realizado.

*Ludovic Voet publicou este artigo no jornal “Solidaire”, órgão do Partido do Trabalho da Bélgica.

( HORA DO POVO, 27.07.12 )

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.