ENCALHE ( Descontinuado em 05.10.2013 )

setembro 7, 2013

Racionalidade ocidental, por Thierry Meyssan


Se vocês gostaram do incidente do golfo de Tonquim e da guerra do Vietname, das incubadoras kuwaitianas e da primeira guerra do Golfo, do massacre de Racak e da guerra do Kosovo, das armas de destruição em massa iraquianas e da segunda guerra do Golfo, das ameaças sobre Bengazi e da guerra da Líbia, ireis adorar o gaseamento de civis em Ghouta e o bombardeamento da Síria.

Numa nota difundida pela Casa Branca, o director dos serviços de inteligência dos EU afirma que 1429 pessoas foram mortas aquando de um ataque químico massivo sobre uma dezena de localidades, a 21 de Agosto [1].

Os serviços secretos franceses não puderam proceder, no local, a um balanço das vítimas, assegura uma nota difundida pelo ministério francês da Defesa [2]. Entretanto, eles viram 281 em vídeos, enquanto que a organização « não-governamental » francesa, Médicos sem fronteiras, contou, no caso, e à sua conta 355 em hospitais.

Os serviços de informação aliados referem-se todos aos vídeos. Assim o chefe dos serviços de espionagem dos EUS colectou uma centena no YouTube, enquanto o ministério francês da Defesa não encontrou lá mais que 47. Washington e Paris consideram-no todos como autênticos. Ora, acontece que alguns de entre eles foram postados às 7h00 da manhã, hora de Damasco (o que explica que fossem datados de 20 de Agosto pelo YouTube, que está situado na Califórnia), mas com um sol quase no zénite, o que implica que eles foram gravados de véspera [3].

Todos os observadores notaram forte proporção de crianças entre as vítimas. O Estados Unidos contaram nesta 426, ou seja mais de um terço. Certo, mas nem os serviços secretos americanos, nem os homólogos franceses, se preocuparam em verificar porque tinham quase todos a mesma idade, e porque estavam sós sem família para os chorar. Mais estranho ainda, o gás teria matado as crianças e homens adultos, mas teria poupado as mulheres.

A ampla difusão, através dos canais de satélite, das imagens das vítimas permitiu às famílias alauítas dos arredores de Lattaquié reconhecer as suas crianças, raptadas duas semanas antes pelos «rebeldes». Elas apresentaram de imediato queixa por assassínio junto da Justiça síria, mas os serviços de informação americanos, britânicos e franceses não conseguem saber nada disto, porque os seus satélites não conseguem ler a imprensa síria.

Americanos, Britânicos e Franceses concordam em dizer que as vítimas foram mortas por um gaz neurotóxico, que poderia ser sarin ou conteria sarin. Eles afirmaram basear-se nas suas próprias análises realizadas nos seus laboratórios, em amostras recolhidas por cada um dos seus serviços secretos. No entanto, os inspectores da Onu, vindos ao local recolher outras amostras, só poderão dar o seu veredicto dentro de uma dezena de dias. Com efeito, as análises feitas pelos Americanos, Britânicos e Franceses são estranhas para o mundo da comunidade científica, para quem a avaliação das amostras necessita de um prazo muito mais longo.

Se está claro que as crianças morreram por intoxicação química, não e de todo certo que elas tenham sido gazeadas. Os vídeos que as mostram agonizantes permitem ver uma baba branca, enquanto o sarin provoca uma de cor amarela.

As três grandes potências ocidentais acordaram igualmente em atribuir a responsabilidade deste acontecimento, de importância variável, ao exército árabe sírio. O director do serviço de espionagem dos EU precisa que os seus serviços observaram militares sírios, durante os quatro dias precedentes, a misturar os componentes químicos. Os Britânicos asseguram que não foi aqui que o exército árabe sírio realizou o seu primeiro ensaio, uma vez que já havia utilizado gaz em 14 ocasiões desde 2012 [4].

As revelações dos serviços norte-americanos, britânicos e franceses são corroborados por uma intercepção telefónica. Um alto funcionário da Defesa síria teria telefonado, em pânico, ao chefe da unidade de gaz químico à propósito do massacre. Todavia esta intercepção não foi realizada pelos Americanos, Britânicos ou Franceses, mas ter-lhes-á sido fornecida pela unidade 8200 da Mossad israelita.

Em resumo, os serviços secretos americanos, britânicos e franceses estão 100 % seguros que o exército árabe sírio gazeou um numero indeterminado de civis : para isso terá utilizado uma nova espécie de velho gaz sarin que não atinge as mulheres. Os Estados Unidos vigiaram durante quatro dias a preparação do crime sem intervir. A sinfonia da utilização é que este gaz mágico matou crianças, que haviam sido raptadas pelos jihadistas duas semanas antes, a mais de 200 quilómetros de lá. Os acontecimentos tornam-se conhecidos graças a filmes autênticos rodados, e por vezes postados, de avanço no YouTube. E, são confirmados por uma intercepção telefónica realizada pelo inimigo israelita. Como se trataria da décima-quinta operação deste tipo, o « regime » teria ultrapassado uma « linha vermelha » e deverá ser «punido» por bombardeamentos que o privem dos seus meios de defesa.

Em direito internacional a propaganda de guerra é o crime mais grave, porque torna todos os outros crimes possíveis.

Thierry Meyssan

Tradução
Alva

Fonte
Al-Watan (Síria)

[1] “US Government Assessment of the Syrian Government’s Use of Chemical Weapons on August 21, 2013” (em Inglês- Avaliação pelo Governo dos EU do uso de Armas Químicas pelo Governo Sírio – ndT), Voltaire Network, 30 de Agosto de 2013.

[2] «Synthèse du Renseignement français sur l’attaque chimique du 21 août 2013»( em Francês – Síntese da inteligência francesa sobre o ataque químico de 21 de Agosto – ndT), Réseau Voltaire, 2 de Setembro de 2013.

[3] «A propósito dos vídeos do massacre de 21 de Agosto», Rede Voltaire, 31 de Agosto de 2013.

[4] “Letter From the Chairman of the UK Joint Intelligence Committee on Syria”, Voltaire Network, 29 August 2013.

VOLTAIRENET

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: