ENCALHE ( Descontinuado em 05.10.2013 )

setembro 5, 2013

Rússia apresenta provas para deter agressão contra Síria


Moscou, 5 set ( IRÃ NEWS / Prensa Latina ) A chancelaria russa destaca hoje em seu site um relatório elaborado por especialistas em armas químicas baseado em amostras provenientes de Khan al Asal, próximo a Alepo, Síria, onde um ataque químico de opositores matou 26 pessoas.

O ataque com armas proibidas por convenções internacionais ocorreu no último dia 19 de março e provocou lesões em outras 86 pessoas, afirma o texto.

A fonte esclarece que esse informe foi divulgado após os múltiplos vazamentos de materiais no Ocidente, que acusam o o governo do presidente Bashar al-Assad do uso de substâncias tóxicas a fim de justificar uma agressão armada.

O relatório de 100 páginas foi entregue em julho ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, com provas de que o míssil disparado em Khan al Asal era de fabricação caseira, similar aos que integrantes da brigada opositora Bashair al Nasr montaram no norte da Síria.

O documento acrescenta que o explosivo utilizado foi o RDX ou hexógeno, que não faz parte dos equipamentos do Exército, e que as amostras recolhidas no local dos fatos continham o gás letal nervoso sarin.

Acrescenta também, além disso, que foram encontrados traços de disopropilfluorofosfato (DFP), substância empregada por países ocidentais como arma química durante a Segunda Guerra Mundial.

O Ministério de Relações Exteriores critica o fato de que aqueles que acusam o governo sírio por tudo centrem sua atenção apenas no ataque contra Guta Oriental no dia 21 de agosto, e não considera os ataques que membros do Exército regular sofreram nos dias 22 e 25 de agosto.

A Chancelaria ressalta que nesses dois dias os militares apreenderam equipamentos nessa zona suburbana e confirmaram rastros recentes de gás sarin.

A nota do Ministério de Assuntos Exteriores conclui com uma expressão de apoio ao anúncio de que os inspetores da ONU regressarão proximamente à Síria para continuar as investigações, e colocarão interesse especial em Khan al Asal.

Simultaneamente aos esforços diplomáticos, uma demonstração da vontade russa de impedir a iminente agressão contra a Síria é o reforço de seu grupo naval operativo no Mediterrâneo, ao qual em meados de setembro se somará o cruzeiro lançador de mísseis Moskva.

Fontes da Marinha informaram que essa fortaleza flutuante chamada pela imprensa especializada como “assassino de porta-aviões” suspendeu ontem uma visita planejada a Cabo Verde e rumou para as águas próximas ao país árabe.

Com sua chegada, o comando operativo de toda a esquadra será transferido do navio anti-submarino “Almirante Panteleyev”, onde estavam até o momento para o Moskva.

O ministro de Relações Exteriores russo, Serguei Lavrov, e outros integrantes da liderança russa reiteraram que Moscou não entrará em combate contra ninguém caso se materialize uma agressão contra a Síria.

No entanto, seus esforços políticos e militares demonstram a vontade do Kremlin de evitar um conflito que segundo o politólogo russo Leonid Savin tem como objetivo estratégico impor sobre Moscou e China a hegemonia de Washington e seus aliados.

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: