ENCALHE ( Descontinuado em 05.10.2013 )

agosto 22, 2013

Rússia: Ataque com armas químicas foi “trabalho grosseiro” da oposição síria


 

A Rússia declarou que, de acordo com informações de que dispõe, as armas químicas foram usadas (no dia 21 de agosto) pelos combatentes da oposição e não pelo regime de Bashar al-Assad. As acusações de que são alvo as tropas governamentais se baseiam em informações não confirmadas e a campanha agressiva da mídia regional e ocidental só confirma que se trata de “uma provocação planejada com antecedência”, diz um comunicado especial do MRE russo. Não é a primeira vez que ocorrem provocações deste género.

É verdade que os combates continuam nos arredores a leste de Damasco, mas, segundo puderam verificar os diplomatas russos, o panorama dos acontecimentos apresentado deturpa completamente a situação.

“A verificação da credibilidade das reportagens das cadeias televisivas regionais”, diz o comunicado do MRE, demonstrou o seguinte: “Ao princípio da manhã de 21 de agosto, esse bairro foi alvo, a partir das posições ocupadas pelos combatentes da oposição, do lançamento de um míssil de fabrico artesanal, idêntico ao que foi usado pelos terroristas no dia 19 de março do corrente ano em Khan al-Assal (perto de Aleppo), com uma substância química tóxica ainda por determinar.”

A utilização de armas químicas perto de Aleppo deverá ser investigada por uma missão especial de peritos da ONU que iniciou seus trabalhos na Síria a 20 de agosto.

Os peritos russos consideram que o uso de gás sarin por estruturas não-governamentais é perfeitamente possível, tal como o fez, em março de 1995, a seita japonesa Aum Shinrikyo no metrô de Tóquio. Nessa ocasião morreram 12 pessoas. De acordo com informações diversas, mais de 5 mil pessoas sofreram efeitos nocivos irreversíveis para a sua saúde. Isso foi recordado à Voz da Rússia pelo Professor Guennadi Prostakishin, perito do Centro de Medicina de Catástrofes russo:

“Não sei se há ou não gás sarin na Síria. Recordem o que aconteceu com Saddam Hussein. Os norte-americanos também o acusavam de ter sarin e outras substâncias tóxicas, mas não havia lá nada. Provavelmente, o mesmo se passará neste caso.”

Alguns peritos ocidentais duvidam que se esteja a falar de sarin. Além disso, eles avisam para desconfiar das imagens colocadas na Internet, alegadamente feitas logo depois do ataque.

“Nelas se vê que as pessoas que prestam os primeiros socorros às vítimas não usam vestuário de proteção”, escreveu em seu blog o perito em armas químicas e biológicas Jean Pascal Zanders, do Instituto de Estudos de Segurança da União Europeia. “O sarin não funciona assim. Sem um vestuário de proteção haveria muitas intoxicações secundárias”, afirma Zanders.

O incidente ocorrido nos arredores de Damasco teve lugar precisamente quando a Comissão da ONU para a investigação da possível utilização de armas químicas começou seus trabalhos na Síria. Na opinião do MRE russo, tudo isto “aparenta serem tentativas para sabotar a realização da Conferência de Genebra” para a regulação do conflito sírio. A próxima reunião, entre peritos russos e norte-americanos, para discutir a preparação da conferência Genebra 2 está planejada para 28 de agosto.

“A oposição já não tem nada a perder. Ela já não pode vencer e por isso tenta, por quaisquer meios, obrigar o Ocidente a intervir convencendo-o que o regime é “sanguinário e cruel”, diz o perito do Instituto de Estudos Estratégicos e Análise Serguei Demidenko. Ele recordou igualmente que as informações sobre “ataques químicos” são sempre veiculadas por televisões financiadas pelos patrocinadores dos combatentes da oposição com origem nos países do Golfo Pérsico:

“Tudo isto já tinha acontecido antes. Basta os Estados Unidos dizerem que vão intervir, que na Síria irão encontrar armas químicas, tal como a televisão Al Jazeera, do Qatar, já anunciou. Bastou ao grupo de peritos da ONU entrar na Síria para verificar as informações sobre as armas químicas que o canal televisivo do Dubai Al Arabiya relatou o seu uso pelas tropas governamentais. É um trabalho realmente muito grosseiro.”

O Conselho de Segurança da ONU reuniu de emergência no dia 21 de agosto e apelou à realização de uma investigação exaustiva às informações acerca da tragédia dos arredores de Damasco. A Rússia também considera que uma investigação exaustiva é necessária. Para isso bastam os peritos da ONU que já se encontram na Síria.

1 Comentário »

  1. […] 1 ] Rússia: Ataque com armas químicas foi “trabalho grosseiro” da oposição síria, […]

    Pingback por Le Figaro: EUA e Israel treinaram mercenários na Jordânia para combater na Síria | ENCALHE — agosto 24, 2013 @ 6:46 pm


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: