ENCALHE ( Descontinuado em 05.10.2013 )

abril 24, 2013

Delegado diz que Folha e Estadão financiaram repressão durante a ditadura

Filed under: WordPress — Tags:, , , , — Humberto @ 8:26 pm

Ex-delegado da Polícia Civil Claudio Guerra diz em depoimento à comissão municipal da verdade de São Paulo que atuou como ‘executor’ de militantes contra ditadura e como estrategista
REDE BRASIL ATUAL
São Paulo – O ex-delegado da Polícia Civil do Espírito Santo Claúdio Guerra afirmou em depoimento ao presidente da Comissão Municipal da Verdade de São Paulo, Vladimir Herzog, o vereador Gilberto Natalini (PV), que os jornais O Estado de São Paulo e Folha de S.Paulo teriam contribuído com doações em dinheiro para a Operação Bandeirantes (Oban), sistema montado pelo Exército em 1969 para coordenar as operações de repressão à luta armada contra a ditadura (1964-1985). O depoimento foi prestado na segunda-feira (22), em Cariacica, na Grande Vitória.
Além dos jornais, empresas como Ultragaz, Banco Mercantil de São Paulo, Banco Sudameris, Ford, General Motors e Volkswagen também são apontados com supostos financiadores da Oban.
Segundo Guerra, a Folha de S.Paulo, além de recursos financeiros, teria participado do esquema de repressão com o fornecimento de carros usados em operações e que o dono do jornal na época, Otavio Frias de Oliveira, teria visitado “constantemente” o Departamento Estadual de Ordem Pública e Social (Deops) e seria amigo pessoal do delegado Sérgio Fernando Paranhos Fleury, apontado, junto com o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, como comandante das operações de repressão, tortura, execução e ocultamento de cadáveres de militantes contra a ditadura.
“A gente recebia bônus em dinheiro, mas quem dava era o SNI (Serviço Nacional de Inteligência)”, afirmou. O ex-delegado disse que o Banco Mercantil do Estado de São Paulo era um dos principais arrecadadores de fundos para financiar a Oban. “O dono do banco arrecadou 350 mil dólares (no lançamento da operação) e (tinha) as empresas Ultragaz, O Estado de São Paulo a Folha de S.Paulo forneciam verba, carros. O Frias visitava o Deops constantemente e era amigo pessoal do Fleury. O ex-ministro Delfim Netto também participava”, disse.
As direções dos dois jornais foram procuradas pela RBA para repercutir as denúncias, mas não retornaram as solicitações de informação.
Guerra também afirma no depoimento que na operação conhecida como chacina da Lapa, na qual em 1976 em um casa no bairro paulistano da Lapa foram mortos três dirigentes do PcdoB, o autor dos disparos que mataram os comunistas seria o delegado Fleury e não militares.
“O Fleury tava lá, o Doi-Codi. Nós estávamos na cobertura e fizemos os primeiros disparos para assustar. As pessoas já estavam rendidas e foram metralhadas”, disse.
Guerra afirmou que entrou para o esquema de repressão coordenado pelo SNI em 1973 na função de executar assassinatos de militantes da luta armada e depois foi “promovido” a estrategista e foi responsável por atentados a bomba no início dos anos 1980 para evitar o processo de abertura política implementado pelo então presidente Ernesto Geisel.
O ex-delegado também afirmou que, mesmo após o fim da ditadura e do aparato de repressão à luta armada, continuou a receber ajuda financeira até 2005 por parte da comunidade de informação montada pela Oban.
Ele disse ter prestado serviços ao SNI de 1973 até a extinção do órgao, em 1985, e que foi indicado pelo então procurador da República no Espírito Santo, Geraldo Abreu, que o teria apresentado ao coronel Fred Perdigão (Exército) e ao comandante (Antonio) Vieira do Centro de Informações da Marinha (Cenimar).
“Eu tive várias vezes em São Paulo, primeiro na qualidade de executor. Nós saíamos sem saber quem era, sem saber por que, não sabíamos nada”, afirmou Guerra ao relatar que não tinha informações sobre as pessoas que teria de executar nas operações. Segundo ele, somente depois de uma “investigação” que confrontou datas e locais onde teria executado militantes com informações sobre mortos e desaparecidos na ditadura é que ele conseguiu identificar algumas de suas vítimas.
“Dois em Moema, um na Angélica um, depois um no Paço da Pátria, já nos anos 80, mas este, depois fui saber, não tinha nada a ver com a repressão, era um desafeto do coronel Perdigão. Cumpri esta missão. O jornal O Estado de São Paulo fui eu que explodi. Eu fui arregimentado para ser executor e aí cresci nas graças do SNI, porque o trabalho era feito direito, e passei a estrategista. Participei de ações também no Recife e em Minas”, disse.
Segundo Guerra, nas operações não eram informados os nomes das pessoas que seriam executadas, nem o motivo, só o local onde estariam. Depois do início do processo de abertura, em 1979, já como estrategista, Guerra afirma ter cometido atentados montados para incriminar os opositores ao regime militar e impedir a abertura política.
“E aí teve uma série de atentados, banca de revistas, o jornal (Estadão), fui eu que montei, levei um carro daqui e a bomba foi montada num galpão em São Paulo”, disse.
Ele afirmou à comissão nunca ter participado de sessões de tortura. “Fui muito no Deops, mas nunca participei de interrogatório. Da tortura eu nunca participei. Execução eu achava que era um ato de guerra” , disse.
O ex-delegado também afirmou que as principais “lideranças” do esquema de repressão foram o delegado Fleury e o coronel Ustra. Segundo ele, Romeu Tuma, delegado da Polícia Civil e diretor geral do Dops paulista entre 1977 e 1982, “acabou com todo o arquivo” que havia de registros das operações de repressão.
Ele também disse que opositores à ditadura que atuavam em São Paulo foram torturados e mortos em operações na chamada Casa da Morte, um centro de tortura que funcionou em Petrópolis, no Rio de Janeiro, como o casal de professores da Universidade de São Paulo Ana Kusinsky e Wilson Silva. O ex-delegado afirma ter levado os corpos de Ana e de Wilson da Casa da Morte para serem incinerados na Usina Cangaíba, de cana de acúçar, em Campos (RJ)
De acordo com Natalini, este foi o primeiro depoimento colhido na comissão de alguém que não é vítima da repressão. Segundo o vereador, o depoimento foi esclarecedor sobre ocorrências como a da chacina da Lapa e sobre o incineramento de cadáveres pelo esquema de repressão.
O vereador disse que, junto com as comissões da verdade estadual e federal, pretende trazer o ex-delegado, que mora em Cariacica, para prestar informações em São Paulo sobre outras pessoas que teriam participado de operações de repressão.
Natalini também informou que a comissão pretende ouvir depoimentos do ex-ministro Antonio Delfim Netto, do delegado Aparecido Laertes Calandra, apontado como torturador por presos politicos durante a ditadura, e do coronel Ustra.

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: