ENCALHE ( Descontinuado em 05.10.2013 )

dezembro 3, 2012

Um quarto dos europeus se encontram no limiar da pobreza

Filed under: WordPress — Tags:, , — Humberto @ 5:14 pm

Em 2011, 119,6 milhões de residentes na União Europeia, ou seja – 24,2% da população, se encontravam à beira da exclusão social, ou seja, estavam a beira da pobreza, tinham sérias dificuldades econômicas ou tinham muito baixa ocupação trabalhista, informou na segunda-feira o serviço estatístico europeu Eurostat.
Em 2010, essas pessoas constituíam 23,4% e em 2008 eram 23,5%, informa a Eurostat. O nível mais elevado do risco de exclusão social, entre os 27 países da UE, pertence à Bulgária (49,1% da população), se seguindo a Romênia e a Letônia (40% cada), a Lituânia (33%), a Grécia e a Hungria (com 31% cada). O risco mais baixo se verifica na República Tcheca (15%), na Holanda e Suécia (16% cada), em Luxemburgo e na Áustria (17% cada).
VOZ DA RUSSIA

LEIA TAMBÉM:

Uma em cada quatro pessoas em risco de pobreza ou exclusão social
Entre 2010 e 2011, mais cinco milhões de pessoas passaram a estar em risco de pobreza ou exclusão social na Europa a 27.
Perto de 120 milhões de pessoas na União Europeia (UE) a 27 estavam em risco de pobreza ou exclusão social em 2011, indicam dados do Eurostat divulgados nesta segunda-feira. Em Portugal, estima-se que haja 2,6 milhões de pessoas nesta situação.
Na Europa a 27, são quase mais cinco milhões de pessoas do que no ano anterior a viver sob uma das três formas de exclusão social: risco de pobreza, situação de privação material muito grave ou integradas em agregados familiares com uma intensidade de trabalho muito baixa. Quase um em cada quatro cidadãos está nesta situação (24,2% da população), revela o relatório do gabinete de estatísticas da UE.
Em Portugal, os números em bruto apontam, surpreendentemente, para uma melhoria face ao ano anterior (24,4%), quando no relatório de 2010 esse valor chegava aos 25,3%. Mas é preciso olhar com cuidado para estes dados, avisa o especialista em pobreza e desigualdades Carlos Farinha Rodrigues, do Instituto Superior de Economia e Gestão.
Esta análise do rendimento é referente ao ano de 2010 e, como para esta estimativa se considera o rendimento mediano, se este baixar, a situação parece melhorar. Se isso não tivesse acontecido, “a linha de pobreza teria aumentado muito mais”, garante o especialista ao PÚBLICO.
A percentagem de indivíduos abaixo do limiar de pobreza corresponde à fatia daqueles que dispõem de um rendimento anual líquido inferior a 60% do rendimento mediano (por adulto equivalente) no país. Como o indicador em causa tem como referência os rendimentos auferidos num determinado país, o valor do limiar de pobreza fixado varia de acordo com a grandeza relativa desses mesmos rendimentos em cada um. O Eurostat destaca, a propósito, o facto de o rendimento ter caído nos últimos anos em vários Estados-membros devido à crise económica.
Em Portugal, a população em risco de pobreza após transferências sociais ascendia a 18% do total, mais do que no ano anterior (17,9%), lembra Carlos Farinha Rodrigues, notando que neste critério estamos pior do que a média da UE a 27 (16,9%). Quanto às pessoas em situação de privação material muito grave, a percentagem era de 8,3% em Portugal, em 2011, enquanto os indivíduos que vivem em agregados familiares com uma intensidade de trabalho muito baixa representavam 8,2% da população. Nestes dois últimos critérios, Portugal estava ligeiramente abaixo da média da UE a 27.
De acordo com o relatório do Eurostat, em 2011 a Bulgária voltou liderar a lista dos países com a percentagem mais elevada de pessoas em risco de pobreza ou exclusão social (49,1%), seguida da Roménia e da Letónia (40,3% e 40,1%, respectivamente), Lituânia (33,4%), Grécia e Hungria (31%). No fim da lista estão a República Checa (15,3%), Holanda e Suécia (15,7% e 16,1%), Luxemburgo e Áustria (perto de 17%).
Olhando para cada um dos critérios considerados para esta classificação, a percentagem da população em situação de privação material muito grave — com uma tal falta de recursos que implica não ter dinheiro para pagar as contas, para manter a casa adequadamente quente ou para ter uma semana de férias fora de casa por ano — varia substancialmente de país para país. Oscila entre apenas 1% no Luxemburgo e na Suécia, 31% na Letónia e 44% na Bulgária.
PUBLICO

Anúncios

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: