ENCALHE ( Descontinuado em 05.10.2013 )

junho 24, 2011

Hora do Povo: governo Obama usa tribunal de exceção de W. Bush para perseguir militantes de oposição

Filed under: WordPress — Tags:, , , — Humberto @ 7:10 pm

Desde setembro do ano passado, 23 militantes da FRSO – Organização Socialista Estrada da Liberdade -, e de outras organizações e entidades dos EUA, estão na mira do FBI e da “Lei (Anti) Patriótica” e foram submetidos a um “tribunal” – instância jurídica criada em dezembro de 2008 por W. Bush e mantida por Obama – em que sequer têm direito a advogado. A denúncia é do dirigente da FRSO, Tom Burck, em entrevista ao jornal “Solidaire”, do Partido do Trabalho da Bélgica. Ele participou em maio, em Bruxelas, do encontro de partidos comunistas e progressistas que juntou 55 organizações.
Em comum, os 23 têm o fato de terem participado da organização da manifestação com 30 mil pessoas diante da convenção republicana de 2008 em Minesota, a que indicou o fracassado candidato John McCain. Também a participação na retomada nos últimos anos do Dia Internacional do Trabalho nos EUA, o 1º de Maio, com as gigantescas manifestações que tomam o país inteiro, em defesa dos imigrantes e também dos direitos trabalhistas em geral.
Outro dos perseguidos, Carlos Montes, também organizador da marcha a Minesota e, desde 2006, do 1º de Maio em Los Angeles, teve sua casa invadida pela SWAT às 5 h da manhã, no dia 17 de maio, e a porta arrombada, sob o pretexto de “denúncia” de porte ilegal de arma. Isso, num país onde, graças à Associação Nacional do Rifle e ao Congresso, um magnata pode ter um tanque de guerra no pátio de casa, e qualquer um pode adquirir um fuzil M-16, até pelo correio. Os policiais subtraíram computadores, documentos de 40 anos de vida e fotos, e celulares. (Assim o NSA tem menos trabalho: não vai precisar grampeá-lo todos os dias, pelo menos nesses números). Não havia arma.
Na instância jurídica em que Burck, Montes e os outros 21 ativistas foram indiciados – a la “Homeland Department” -, o investigado não tem direito sequer a um advogado, há apenas um promotor e mais 23 jurados – em geral militares da reserva e funcionários públicos. O acusado está obrigado a responder a qualquer pergunta feita pelo inquiridor, à revelia da quinta emenda da constituição, que diz que ninguém pode ser obrigado a falar contra si mesmo.
Burck deu ao “Solidaire” mais detalhes dessa peculiar “justiça” dos monopólios. Apesar de terem apelado para a quinta emenda, logo em seguida a promotoria se concedeu a imunidade de acusação, podendo, assim, forçar os investigados a “cooperar” com a justiça, dar informações, acusar os outros de qualquer coisa. Um mecanismo que lembra a sinistra caça aos vermelhos nos anos 50. “Se você ainda se recusa a falar, pode acabar na prisão por 18 meses, sem mais delongas”.
( HORA DO POVO, 24/06/2011 )

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: