ENCALHE ( Descontinuado em 05.10.2013 )

julho 31, 2007

Puxando a capivara dos Ladrões de Casaca: Quem são os golpistas do ”Cansei”

Filed under: CANSEI, golpismo, imprensalão, PSDB/ DEM, tucanalha — Humberto @ 9:00 pm

Animados com o bombardeio midiático contra o governo Lula, ricos empresários, tucanos e demos (ex-pefelistas) lançaram em São Paulo o Movimento Cívico pelo Direito dos Brasileiros, também batizado de ”Cansei”. Cinicamente, seus criadores garantem que a iniciativa é ”apartidária”, nascida após a tragédia do avião da TAM, e visa apenas protestar contra o caos reinante no país. Para dar uma aparência de legalidade, o movimento será liderado pela seção paulista da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP). Talvez saudosos das ”Marchas da Família, com Deus e pela Liberdade”, promovidas às vésperas do golpe militar de 1964 com apoio da embaixada dos EUA, o ”Cansei” pretende organizar manifestações e investir pesado em publicidade.
Por Altamiro Borges*
VERMELHO
As emissoras de televisão, que rejeitam o fato de serem concessões públicas, já anunciaram que cederão seus milionários espaços na telinha. Entre as peças publicitárias já boladas ”gentilmente” pelo publicitário Nizan Guanaes, marqueteiro-mor dos tucanos, encontram-se algumas pérolas bem ao gosto da burguesia rentista: ”Cansei do caos aéreo”, ”cansei de bala perdida”, ”cansei de pagar tanto imposto”. Estas e outras idéias teriam sido discutidas no luxuoso hotel do empresário João Dória Jr., em Campos do Jordão – cidade de veraneio paulista que reúne a nata da burguesia durante o inverno. Nos últimos dias, por lá passaram vários industriais, banqueiros, barões do agronegócio e políticos, como o ex-presidente FHC, o atual governador José Serra e o presidenciável derrotado Geraldo Alckmin.
Conspiração da ”elite branca”
Até agora, a melhor definição sobre este movimento foi dada pelo ex-governador paulista Cláudio Lembo – que é dirigente do Demo, mas não é hipócrita e tem lapsos de sinceridade. Após anunciar sua adesão ao ”Cansei”, ele afirmou ironicamente que a iniciativa é liderada ”por um segmento da elite branca. Deve ter começado em Campos do Jordão”.
No último final de semana, todos estes conspiradores se encontraram no Mosteiro São Bento no badalado casamento da filha de Geraldo Alckmin, Sophia – que ficou famosa por ”trabalhar” na boutique de contrabando Daslu. A luxuosa cerimônia reuniu centenas de magnatas, a cúpula da direita neoliberal, alguns ”jornalistas” famosos e a atriz Regina Duarte, que durante a campanha presidencial de 2002 apareceu na telinha com a frase terrorista ”eu tenho medo [do Lula]”.
Com protestos de rua nas principais capitais do país e fartos investimentos em publicidade, o ”Cansei” pretende satanizar o presidente Lula, culpando-o por todos os males do país. O eixo principal da campanha visa marcar o governo como incompetente, ”péssimo administrador”, para ver se desperta a ira das camadas médias e gera confusão entre os setores populares. ”A sociedade precisa demonstrar a sua indignação”, bate na tecla o falastrão João Dória. Uma rápida olhada na biografia dos mentores do movimento, porém, confirma que o objetivo desta ”elite branca” é forçar a oposição de direita ao governo Lula e, se possível, repetir a façanha das ”Marchas com Deus” em 1964.
O líder João Dória Jr.
– João Dória Jr., principal porta-voz do movimento, é um notório direitista. Na campanha presidencial de 2006, o empresário promoveu milionários jantares de apoio ao candidato Geraldo Alckmin. Amigo íntimo de FHC, em outubro passado premiou o ex-presidente com uma escultura da artista Anita Kaufmann. Ele também é um elitista contumaz. Segundo reportagem da Veja, ”conhecido pelo dom de reunir convidados famosos em festas e eventos empresariais, João Dória Jr., 47 anos, faz questão de manter o seu visual tão impecável quanto suas duas mansões, uma nos Jardins e outra em Campos do Jordão. Ele só usa camisas feitas sob medida (quase todas com colarinho italiano e monograma) e termos Ermenegildo Zegna”. Seu patrimônio pessoal é calculado em R$ 70 milhões; é dono da empresa Dória Associados, de um centro de exposições e de uma editora; tem um helicóptero Bell-407 e acaba de comprar um jatinho Phenon.
Outro artigo da mesma revista confirma que o líder do ”Cansei” não tem nada de apolítico ou apartidário. Formado numa família de velhas raposas da UDN e filho do deputado cassado João Dória, Junior circula pelos corredores do poder há muito tempo. Foi secretário municipal de turismo e presidente da Embratur ( também afastado por denúncias de corrupção ). Com toda esta ”bagagem”, fundou em 1996 a Grupo de Lideres Empresariais (Lide), que reúne 406 executivos e donos de empresas com faturamento acima de R$ 200 milhões. Juntos, estes empresários controlam cerca de 40% do PIB brasileiro. ”Quem é capaz de por presidentes de grandes bancos de braços esticados, dançando Macarena? Ou, apito na bota, distribuir tarefas para chefões da indústria e respectivas senhoras? Resposta: João Dória Jr., publicitário, jornalista, empresário e, acima de tudo, talentosíssimo no trato com os poderosos”, descreve o artigo bajulador.
Os outros conspiradores
– Luiz D’Urso, presidente da seção paulista da OAB, é outro conhecido direitista. Advogado de ilustres bilionários, inclusive do casal Hernandes da Igreja Renascer – detido nos EUA por evasão de divisas -, ele imprimiu uma marca reacionária à OAB de São Paulo. Chegou a promover atos contra os servidores públicos em greve e a se manifestar publicamente em defesa da Emenda 3, que estimula a precarizaçao do trabalho. No ano passado, em plena campanha eleitoral, propôs o impeachment do presidente Lula.
– Nizan Guanaes, dono da poderosa agência África, é o principal marqueteiro tucano. Dirigiu as campanhas de FHC e Serra. ”Não sei dizer não ao Fernando Henrique”, confessou ao jornalista Gilberto Dimenstein. Segundo o Observatório da Imprensa, ele gozou de amplo poder no reinado de FHC. ”Nizan passou a cuidar informalmente da imagem do presidente e tem ido pelo menos dois dias por semana a Brasília. ‘Estou doando meu tempo e talento para algo em que acredito”’.
– Marcus Hadade, ex-presidente da Confederação Nacional dos Jovens Empresários, e Ronaldo Koloszuk, diretor do Comitê de Jovens Executivos da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), coordenaram a primeira manifestação pública do ”Cansei”, na tarde deste domingo. Ajudaram a puxar palavras de ordem bem ”apolíticas” e singelas: ”Fora Lula”, ”relaxa e fora”, ”assassino” e ”1, 2, 3, Lula no xadrez”. Foram assediados por empresários, arrivistas tucanos, madames e mauricinhos e patricinhas da classe ”mérdia”.
– Paulo Zottolo, presidente da multinacional Philips no Brasil, empresa que bancou os primeiros anúncios em jornais do ”Cansei”. A generosidade não deve ter pesado muito em seu bolso. Segundo reportagem da IstoÉ Dinheiro, ”seu salário na Philips está estimado em R$ 2 milhões por ano” e a multinacional teve no ano passado um faturamento de R$ 4,7 bilhões no país. ”Somos pagadores de impostos e cansei de me indignar e não fazer nada”, esbraveja o magnata.
– Sidnei Basile, diretor da Editora Abril, responsável pela edição da revista golpista Veja. Ele já anunciou que a empresa cederá gratuitamente os espaços publicitários nos seus vários veículos. A famiglia Civita, hoje associada à empresa racista Nasper, da África do Sul, tornou-se o porta-voz da oposição de direita ao governo Lula, manipulando informações e estimulando preconceitos nos seus incautos leitores.
*Jornalista, membro do Comitê Central do PCdoB, editor da revista Debate Sindical e autor do livro As encruzilhadas do sindicalismo (Editora Anita Garibaldi, 2ª edição)
E MAIS!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Declaração [ fictícia ] de uma participante da passeata do CANSEI!!! EXCLUSIVO!!!

O CATA-MILHO: Qual o propósito desta manifestação apartidária?
GLÓRIA DUARTE, empresária: Queremos protestar contra tudo o que vem acontecendo no Brasil.
CM: Por exemplo?
GD: Essa corrupção dos nossos governantes, essa violência, o apagão aéreo, tudo isso.
CM: Você não acha que é uma proposta muito abrangente?
GD: Não. Quando você vê toda essa roubalheira, esses impostos, essa violência, então você vê que tem muito trabalho pela frente.
CM: Vejo que vocês evitaram vínculos com partidos políticos. Pode me falar mais sobre isso?
GD: É que nós não somos filiados a partidos e nem temos ligações com nenhum deles. É a participação do povo, espontânea. A sociedade brasileira está cansada dessa roubalheira, dessa violência, dos impostos. O povo brasileiro não aguenta mais e quer se manifestar de forma inédita.
CM: Como assim “inédita”? E as passeatas de trabalhadores ou estudantes, ou das famílias de vítimas de chacinas?
GD: Aí é que está. Essas aí são formadas por arruaceiros ou são organizadas pelo PT. São sempre por motivos políticos. Nós não.
CM: Então vocês não estão envolvidos com política?
GD: De jeito nenhum. E pode ver. Tudo calmo e pacato, sem arruaça. Nós sabemos nos comportar. Só queremos protestar. E mostrar para os nossos governantes que o povo está cansado dessa roubalheira, da violência, dos impostos.
CM: Por falar em “povo”, vemos poucas pesooas aqui que pudessem ser enquadradas nessa categoria.
GD: É que demora um pouco para convencer as pessoas, para levar a elas nossa mensagem, até por isso estamos aqui. Mas tínhamos que começar, portanto não deu para esperar mais pessoas se agregarem a nós. Com o tempo, se Deus quiser, nossa campanha vai chegar a todos os lugares do Brasil.
CM: E notamos que muitas pessoas vieram acompanhadas de seus cães de estimação…
GD: Não foi combinado. É espontâneo delas. Até ajuda mostrar a imagem de não-partidário do movimento, como se fosse um grande passeio, sem arruaças nem bandeiras.
CM: Mas teve aquelas pessoas com bandeira do PSD…
GD [ cortando ] : Mas foram proibidas de participar com elas. Aqui, não importa em quem você votou.
CM: Falando nisso: em quem a senhora votou? No Lula ? ( risos )
GD: Cruzes!?! Eu, hein? Entre ele e o fim do mundo, eu votava no fim do mundo!!!
CM: Então foi na Heloísa Helena!
GD: Nela também não, porque é muito radical.
CM: Ah, tá! Então foi no outro candidato!
GD: É…mas ele não ganhou. Se fosse ele, com certeza não tinha acidente, apagão aéreo e tanta corrupção.
CM: Mas teve o acidente do Metrô.
GD: É, só que o seguro já está ressarcindo as vítimas.
CM: E as 70 CPIs que a oposição disse que foram “engavetadas”.
GD: O que os petistas queriam era um palanque, para desviar a atençaõ do mensalão, dos sanguessugas, do dossiê.
CM: Pode ser, mas no caso dos Vedoin tem aquela gravação do Serra entregando ambulâncias, e tem o caso do CDHU.
GD: Mas vai ser investigado…Não é que nem a corrupção do PT, o mensalão, essa roubalheira toda!!!
CM: Fala-se em roubalheira do governo Lula.
GD: Nunca teve tanta corrupção e a prova é que está sendo descoberto. Todo dia tem uma nova.
CM: No jornal saiu que o efetivo de policiais federais quase dobrou no governo atual em comparação com o anterior.
GD: Claro, o Lula precisa de uma polícia política. Fazer o que fizeram na Daslu…
CM: Mas grande parte dessas autuações de corruptos que a senhora falou há pouco se dá pelas ações da Polícia Federal. A senhora acha então que – hipotéticamente – o governo, mesmo pretendendo se corromper desde o início, fez contratações de quadros para a polícia federal que iria investigar o governo pela corrupção?
GD: O que mostra a incompetência desse governo.
CM: Também está prevista a contratação de mais 5000 agentes…
GD: … o que prova que a corrupção aumentará!!! Como é que tem gente que não enxerga isso?
CM: Mas vocês enxergam…
GD: Claro que sim!!! Tem gente que você dá uma cesta básica, um Bolsa-Família e tá tudo bem. Também, votaram em quem, né?
CM: Vocês esperavam mais pessoas aqui hoje, não?
GD: Olha, sim e não, porque não tivemos muito tempo para divulgar. Fizemos um mailing, uns anúncios, umas correntes na Internet. Aí só deu para juntar essas pessoas. Mas vamos ganhar corpo. O movimento vai ficar forte.
CM: Vocês pretendem derrubar o Lula?
GD: Claro que não!! Só que se ele não parar de roubar ou deixar roubar, é claro que ele merece um impeachment. E nós vamos estar cobrando. Começamos hoje.
CM: O fato catalizador foi o acidente da TAM ou o da Gol?
GD: A verdade é que devíamos ter feito isso antes. Só que achávamos que ele não seria reeleito.
CM: Mas foi, e muito bem votado.
GD: É a esmola, o Bolsa Família para quem não quer trabalhar e só quer ter filhos. E ele dá o que eles querem.
CM: Voltando aos acidentes aéreos. A senhora leu a vEJA?
GD: Sim. Por quê?
CM: É que ela tá dizendo que a culpa foi do piloto.
GD: Mas a pista ajudou…não tinha o grooving, estava molhada. E não tem o comprimento necessário.
CM: Não é bem assim, pelo menos não é o que a revista disse.
GD: Conhecendo esse governo, o José Dirceu, esses bandidos todos, vai ver que eles ameaçaram a revista. Lembra que eles queriam trazer a censura de volta? Depois vem com essa idéia de TV do governo, aí vira Cuba. Vê lá o que aconteceu com o Celso Daniel, aquela corrupção toda. Foi queima de arquivo.
CM: Vocês falaram também da questão da violência.
GD: É. Tá demais.
CM: E o PCC?
GD: Que tragédia. E você percebe a mão do PT. É a mesma bandidagem: PCC, MST. Querem que isso vire uma Venezuela, Cuba.
CM: E eles roubam com essa finalidade?
GD: Roubam porque são ladrões. Todo esse dinheiro dos impostos, esse dinheiro das ONGs do PT, o mensalão…eles mamam nas estatais, eles e os militantes que eles colocam lá, tudo escolha política. Por isso que eles são contra os empresários. Olha a Vale do Rio Doce.
Dava prejuízo, agora dá lucro. Eles não querem isso. Querem que tudo continue assim, prá poder roubar.
CM: E esse movimento aqui é contra a roubalheira.
GD: É. Por isso é que não tem político. A maior parte é de empresários, que dão empregos, mas que são sufocados pela roubalheira, pelos impostos, pelos juros altos, pela falta de infra-estrutura, por causa desse governo.
CM: Tá certo. Estou vendo que o pessoal aqui é bem elegante, alguns de óculos escuros…
GD: Qual o problema em ser bem-sucedido e querer protestar? Não tem nada de mais. Nós já cansamos, e acho que o povo brasileiro também. Aí, resolvemos nos organizar e mostrar para o Brasil que não estamos calados diante dessa bandalheira.
CM: E que, apesar de protestar, não é político. Parece mais um passeio de domingo.
GD: [ Rindo ] É até uma desculpa para fazer um evento social e se manifestar. Com esse frio, deu até para tirar o casaco de pele do armário.
CM: Obrigado. Bom passeio.
GD: Obrigada. Espero que tenhamos resultados, que essa roubalheira dos políticos já cansou nossa beleza.

( Postado originalmente no finado O Cata-Milho em 31.07.2007, mas lá não tem mais, só aqui, agora )

2 Comentários »

  1. Bah, que turma. Chamam tal oligarquia de “elite”, mas são a pior parte da sociedade.

    Comentário por César xrmr — julho 31, 2007 @ 9:34 pm

  2. Bom, César. Alguma grana eles têm.
    Podiam tentar fazer uma pressão legítima, mas preferem enveredar por este caminho.
    Valeu.

    Comentário por Humberto Capellari — julho 31, 2007 @ 9:41 pm


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: