ENCALHE ( Descontinuado em 05.10.2013 )

novembro 24, 2010

Pior momento na presidência, para Lula, foi quando esse imprensalão vagabundo e meliante que temos aí responsabilizou sua pessoa pelo acidente da TAM

Lula diz que pior momento na presidência foi quando imprensa o “culpou” pelo acidente da TAM
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) declarou que o momento mais difícil que enfrentou na presidência da República foi após o acidente da TAM, em 2007. Segundo ele, a imprensa o culpou pela tragédia.
“Eu nunca vi tanta leviandade. Daqui a pouco começa dizendo, o avião tinha 200 passageiros, a culpa é do governo, porque a pista… cada hora a notícia era pior, o governo carregava 200 mortes nas costas. Acho que eles pensaram: agora sim, nós pegamos o Lula e trucidamos ele. Aquele dia foi o mais difícil no governo”, contou o presidente, em entrevista exclusiva para blogueiros, nesta quarta-feira (24/11), em Brasília.
Lula diz que se sentiu aliviado quando viu a fita do acidente e pode comprovar que o acidente havia ocorrido por falha técnica ou humana. “Quando eu vi a fita, tive a sensação de alívio por ter descoberto a verdade, depois que ficou latente que não era problema de pista”, afirmou.
A coletiva reuniu os blogueiros Altamiro Borges (Blog do Miro), Altino Machado (Blog do Altino), Conceição Lemes (Viomundo), William (Cloaca News), Eduardo Guimarães (Cidadania), Leandro Fortes (Brasilia, Eu Vi), Pierre Lucena (Acerto de Contas), Renato Rovai (Blog do Rovai), Rodrigo Vianna (Escrevinhador) e Túlio Vianna (Blog do Túlio Vianna). Os nomes dos participantes foram estipulados após o 1º Encontro Nacional de Blogueiros Progressistas, realizado em agosto deste ano.
O encontro foi acompanhado ao vivo, pela internet. O presidente também respondeu a pergunta de twitteiros.
( COMUNIQUE-SE )

Veja íntegra da entrevista dos blogueiros progressistas com Lula: http://www.vermelho.org.br/tvvermelho/noticia.php?id_noticia=142228&id_secao=29

julho 2, 2010

Acidente na obra do monotrilho tucano em Vila Prudente: as novidades

Clique na imagem, ou aqui

fevereiro 8, 2010

Adolescente se afoga em buraco cheio d’água. Há risco de mais casos ocorrerem

Filed under: WordPress — Tags:, — Humberto @ 1:18 pm

O terreno onde funcionava a FORD IPIRANGA possui crateras assim, e jovens usam alguns buracos cheios d’água para nadar. Eu vejo sempre, lá pelas 13:00 hs; se tivesse máquina eu tirava umas fotos ( aliás, faz tempo que eu desejo fazer isso ), pela curiosidade. Mas, depois desse episódio em Interlagos, acho que não vejo mais graça nisso. Então, atenção responsáveis: fundações da antiga fábrica da Ford no bairro do Ipiranga poderão se tornar local de tragédia. Para mim, parece óbvio que o caso não tem nada a ver com as “chuvas recordes”, pois bastaria à molecada, simplesmente, encher de água o buraco com uma mangueira.

Adolescente morre afogado em cratera cheia de água em SP
Menino tinha 15 anos; acidente aconteceu na Zona Sul da cidade
Portal G1, 08/02/2010
Um jovem de 15 anos morreu afogado no domingo (7) dentro de um enorme buraco cheio de água em Interlagos, na Zona Sul de São Paulo.
O menino foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros, mas morreu a caminho do Hospital Regional Sul. Segundo testemunhas, o garoto se afogou quando brincava com amigos no buraco, que fica ao lado da Avenida Guido Calói.
A enorme cratera tinha uma cerca de proteção, que estava rompida em vários pontos. Os moradores da região contaram que o buraco foi aberto para a realização de uma obra, mas não sabiam dizer qual empresa é responsável.

fevereiro 2, 2010

Já ia esquecendo: Justiça abre ação penal contra acusados em acidente com o metrô

Justiça abre ação penal contra acusados em acidente com o metrô

A Justiça de São Paulo abriu ação penal contra 13 acusados pelo desmoronamento de parte das paredes do túnel e do canteiro de obras da futura Estação Pinheiros do Metrô, em 12 de janeiro de 2007, e que provocou a morte de sete pessoas. Elas foram soterradas em uma cratera de 80 metros.

A decisão é da juíza Aparecida Angélica Correia, da 1ª Vara Criminal do Foro Regional de Pinheiros, na zona oeste da capital, que marcou para abril, maio e julho as audiências com testemunhas de acusação e defesa. Os réus são engenheiros e projetistas do Consórcio Via Amarela, responsável pela obra, e gerentes do Metrô.

Todos foram denunciados pelo Ministério Público Estadual com base no art. 256 do Código Penal, combinado com o art. 258 – desabamento, expondo a perigo a vida, a integridade física ou o patrimônio de terceiros. No caso de culpa, e porque houve mortes, a promotoria pede aplicação de sanção prevista para homicídio culposo, aumentada de um terço. Em despacho, a juíza assinala que somente com o processo legal será capaz de trazer as respostas necessárias e tranquilizar aqueles que aguardam ansiosamente as explicações sobre as causas do acidente e eventuais responsabilidades….

Fonte: Guianews e Jornal Cruzeiro do Sul

dezembro 16, 2009

Não pode passar em branco: Operário morre em acidente em obra do metrô na Vila Prudente

Filed under: WordPress — Tags:, , , , — Humberto @ 1:16 pm
Operário morre em acidente em obra do metrô na Vila Prudente
PORTAL CTB,
15/12/2009
Na tarde desta segunda-feira, 14/12, uma viga de ferro caiu de um guindaste da obra da futura estação Vila Prudente da Linha 2 – Verde do metrô, causando a morte de um operário. O Sindicato está acompanhando a apuração das causas do acidente, mas desde já questiona a rapidez com que o governo estadual está conduzindo as obras da expansão da Linha 2, tendo em vista o período pré-eleitoral.
Os questionamentos do Sindicato referem-se ao cronograma da obra. Em condições normais, há realmente a possibilidade de inaugurar a extensão da Linha Verde no prazo estabelecido pelo governo Serra? Não está havendo negligência para que este trecho do metrô fique pronto antes da eleição?
Dependendo das respostas para estas perguntas, haverá fortes indícios de que o acidente foi causado pela pressa de inaugurar a extensão da Linha 2, com o objetivo de tornar este feito uma das propagandas de campanha do governo Serra.
 
MAIS: http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2009/12/viga-voa-da-obra-do-metro-em-spaulo-e.html

novembro 26, 2009

“Apagão e acidente no Rodoanel”, por Jasson de Oliveira Andrade

Apagão e acidente no Rodoanel
por Jasson de Oliveira Andrade

Novembro de 2009 foi o mês em que ocorreram fatos que poderão ser temas para as eleições de 2010. Por mera coincidência, eles irão atingir politicamente Dilma e Serra, ambos candidatos à Presidência da República no próximo ano.
O primeiro fato aconteceu em 10 de novembro, quando tivemos, à noite, o apagão. Durou praticamente pouco tempo, no máximo, em alguns Estados, oito horas. O governo federal foi muito criticado. Dilma foi cobrada por uma declaração feita no dia 29 de outubro, no programa “Bom Dia, Ministro”: “Nós também temos uma outra certeza, que não vai ter apagão. É que nós hoje voltamos a fazer planejamento”. No dia 13 de novembro, segundo noticiou o Estadão, “a ministra e pré-candidata ao Planalto fez questão de diferenciar o que houve terça-feira [10/11] com o que ocorreu na gestão Fernando Henrique Cardoso [em 2001], negando que o governo tenha prometido que não ocorreriam mais blecautes. “O que nós prometemos é que não terá mais racionamento neste País. Racionamento é barbeiragem”, atacou Dilma”. O físico Luiz Pinguelli Rosa, no artigo “Blecaute”, publicado na Folha de 13 de novembro, concorda com a ministra: “Ainda pairam algumas dúvidas sobre o blecaute que atingiu vários Estados brasileiros, mais drasticamente São Paulo e Rio de Janeiro. (…) É preciso esclarecer, porém, que o ocorrido na terça-feira [10/11] foi totalmente diferente do chamado apagão de 2001, quando o governo [FHC] decretou um racionamento obrigatório de energia elétrica para toda a população, sob pena de desligamento de residência ou empresa por alguns dias caso não fosse cumprido o corte no consumo”. Para quem não se lembra, depois do blecaute daquela época, tivemos racionamento de energia elétrica entre junho de 2001 a fevereiro de 2002. Nem as luzes das Árvores de Natal podiam ser acesas, nas praças ou mesmo nas residências! Em 2001, racionamento de oito meses. Em 2009, blecaute de oito horas. Tudo indica que essa comparação deste ano com aquele de FHC não é lá muito favorável aos tucanos.
Serra não teve sorte. Na sexta feira, 13, ocorreu o acidente no Rodoanel, quando vigas desabaram sobre três carros na rodovia Régis Bittencourt. Felizmente não houve vítima fatal. Na reportagem “Empreiteiras erraram na instalação de vigas, diz Crea”, a Folha, edição de 17 de novembro, noticiou: “O engenheiro civil José Tadeu da Silva, presidente do órgão [Crea-SP], afirmou ontem [16/11] que as empreiteiras precisavam ter colocado as cinco vigas de concreto do viaduto de uma só vez, para permitir a amarração da estrutura e para que ela “travasse” (Em tempo: o engenheiro José Tadeu da Silva foi vereador em Mogi Guaçu). Anteriormente tivemos em São Paulo (Capital) outro acidente, que mereceu um estudo do Estadão (28/3/2008), sob o título A MAIOR TRAGÉDIA DO METRÔ, dizendo: “Em janeiro de 2007, uma cratera de obras da Linha 4 do Metrô deixava 7 mortos e 230 moradores sem casa”.
Apagão e Rodoanel são temas para as eleições de 2010 ou devem ser esquecidos pelos políticos? Não seria o roto falando do rasgado? Penso que sim. A não ser que outros acidentes e blecautes ocorram.
JASSON DE OLIVEIRA ANDRADE é
jornalista em Mogi Guaçu
Novembro de 2009

novembro 17, 2009

A triste saga de um tucano pé-frio. E não é o Serra.

Filed under: WordPress — Tags:, , , , — Humberto @ 10:14 pm

Lembram-se do famigerado craterão tucano do Metrô? Lembram-se do então presidente do Metrô, Luiz Carlos Frayze David? Ele havia tido, em 2006 uma resposta publicada, se não me engano foi no Jornal do Brasil, à um artigo de autoria do grande Mauro Santayana, em que este criticava as PPPs dos governos tucanos. Infelizmente eu não encontro o texto de Santayana que deixou o sr. David irritado, a ponto deste responder-lhe de maneira algo ríspida ( vejam a seguir ):
 
Luiz Carlos David : em resposta ao jornalista Mauro Santayana e sobre às PPPs
29/08/2006
Orelhada bolchevique
Luiz Carlos David
No Brasil de hoje, no país do não sei, do não vi e do não conheço, até articulistas como Mauro Santayana, com larga experiência na Rádio de Havana, em Cuba, escrevem de orelhada, no melhor estilo bolchevique, sem nenhum compromisso com a verdade. Redigem para um jornal centenário, como escrevem para o site do PT ou para a revista do MST.
Como responsável pelo Metrô de São Paulo e assinante do “Jornal do Brasil”, tenho o dever de esclarecer os leitores e mostrar que é com seriedade que conduzimos as coisas públicas no Estado de São Paulo.
O projeto da Parceria Público-Privada (PPP) da Linha Amarela do Metrô é fruto de estudo há mais de três anos. Contou com a participação ativa da sociedade, por meio de audiência pública, além da disposição do edital no site do Metrô de São Paulo para consultas, sugestões e críticas da imprensa. Para maior clareza, informo que o Metrô não realiza nenhuma “privatização descabida” e, sim, uma concessão, por tempo determinado, por meio de uma PPP. São processos bem diferentes.
Se “é suspeito que essa mal chamada Parceria Público-Privada seja efetivada na hora em que o povo se prepara para decidir os destinos do País” é porque, apesar da Lei Estadual de 2004, a Lei Federal da PPP só foi aprovada pelo governo do PT em 2005. Mesmo assim, partidos políticos contrários à PPP do PT, ajuizaram ações junto ao Tribunal de Contas do Estado de São Paulo e na Justiça paulista, o que provocou o atraso no processo do Metrô.
Vencemos no Tribunal de Contas do Estado. Paralelamente, ação de teor semelhante movida na Justiça, pelos mesmos autores, contra a PPP do Metrô, provocou nova análise do processo, que só avançou após liberação da 3a Câmara do Direito Público.
Hoje, com o vencedor da concessão definido, como autorizou a Justiça, aguardamos o julgamento do mérito da ação para assinatura do contrato. No governo de São Paulo seguimos a Justiça para que dirigentes de empresas públicas e secretários de Estado não sejam afastados sob acusação de cometimento de crime contra a administração pública, como acontece com ministros do governo federal.
São Paulo construiu sua rede de Metrô às custas do Tesouro da Prefeitura, do Estado, e também do chamado “capital alheio”. A Linha Amarela conta com US$ 418 milhões de financiamento do Banco Mundial e de um consórcio de bancos japoneses. Mas não contou com um “tostão” do dinheiro federal. Hoje, o Estado de São Paulo não busca novos empréstimos porque está com a sua capacidade de endividamento esgotada. PPP não é ideologia. É busca de recursos junto à iniciativa privada.
A abertura das propostas da PPP da Linha Amarela ocorreu às 9h e não “às cinco horas da manhã”. Estiveram presentes ao ato os presidentes do Sindicato dos Metroviários e da Fenametro. O edital de convocação foi publicado na imprensa, com plena transparência.
A proposta vencedora é de empresas brasileiras, com o apoio técnico de operadores estrangeiros. A futura empresa concessionária pode buscar empréstimos em qualquer lugar, inclusive no BNDES, que já financia o metrô de Hugo Chávez, em Caracas, e ônibus para Fidel, em Cuba.
O governo do Estado não garante o lucro presumido ao futuro concessionário. A tarifa será fixada pelo poder público, igual à das demais linhas do Metrô. Não é obrigação do concessionário “robotizar” o Metrô, mas utilizar tecnologia que supra a demanda de passageiros.
A China, como São Paulo, já realizou sua PPP, também na Linha 4 de Pequim, com 70% de investimento do governo e 30% da iniciativa privada, que irá explorar o sistema por 30 anos. Parece que dois mais dois é igual a quatro, aqui e lá.
A punição ao povo de São Paulo já foi aplicada pela greve dos metroviários. A punição aos metroviários cabe à Justiça, dentro dos parâmetros da lei e com direito a recurso. De quem é a prepotência?
Luiz Carlos David é presidente do Metrô de São Paulo e foi secretário dos Transportes do Estado de São Paulo.

 

 
Pois bem: tempos depois, o Metrô virou cratera, o senhor David virou demissionário e sumiu do noticiário. Só que nosso bom e velho Vinícius Duarte que, encarava as ruas disfarçado de chofer de praça, com o único propósito de garimpar capivaras descobriu que o ex-presidente do Metrô descolara um carguinho na DERSA:
- http://humbertocapellari.wordpress.com/2008/05/23/da-serie-onde-esta-voce-luiz-carlos-david-ex-presidente-do-metro-de-sao-paulo/
- http://www.dersa.sp.gov.br/arquivos/balanco2008/Pareceres_2008.pdf [ figurava, em Março de 2009, como membro do Conselho de Administração da Dersa ]
 
Não consegui apurar se ele continua ali. Mas, ainda que não esteja, parece que deixou seu rastro de destruição, levando a este triste fiasco do Rodoanel. Sai, zica!!!

Theme: Silver is the New Black. Get a free blog at WordPress.com

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.505 outros seguidores